MARINA EM FOCO

ISTOÉ Independente – Brasil

Milhões de brasileiros admiram a trajetória da ex-senadora Marina Silva. De menina pobre e doente dos seringais do Acre à liderança ambientalista respeitada mundo afora, ela fez da defesa intransigente da ética um exemplo para a política. Mas a sonhadora Marina tem externado em diversas ocasiões recentes uma face surpreendentemente conservadora, capaz de constranger assessores e plantar a semente da dúvida na cabeça de eleitores fiéis.

Na terça-feira 14, a porção reacionária da presidenciável veio à tona num debate na Universidade Católica de Pernambuco. Logo após defender com vigor seu “compromisso com o Estado laico”, a ex-senadora, evangélica, mostrou-se incomodada com a recente onda de protestos contra o deputado Marco Feliciano, também evangélico. Feliciano, como se sabe, assumiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos sob vaias de uma sociedade indignada com suas declarações homofóbicas e racistas.

O conservadorismo garantiu a Marina parte dos 20 milhões de votos na campanha presidencial, mas inviabilizou sua permanência no Partido Verde.

Marina, no entanto, resolveu fechar os olhos para as evidências e diz agora que Feliciano foi atacado pelo simples fato de ser evangélico.

“Tem uma discussão hoje no Congresso, potencializada inclusive por uma pessoa que foi para a Comissão de Direitos Humanos, o deputado Feliciano, que não tem tradição de defesa dos direitos humanos”, disse Marina. “Está sendo criticado por ser evangélico e não por suas posições políticas equivocadas. E aí a gente acaba combatendo um preconceito com outro”, afirmou a presidenciável.

Segundo ela, se Feliciano fosse ateu, “não gostaria de dizer que as posições equivocadas dele eram porque ele era ateu”. O mesmo raciocínio, disse ela, valeria se ele fosse judeu ou espírita. Diante de uma plateia incrédula, a ex-senadora tentou suavizar a afirmação comparando o caso de Feliciano com o de Blairo Maggi, empresário da soja que assumiu a Comissão de Meio Ambiente do Senado.

“O Blairo Maggi não deve ser criticado pelo fato de ser empresário, mas por não ter tradição de defesa do meio ambiente. A crítica ao Blairo e ao Feliciano é por suas posições políticas”, insistiu Marina.

Como era de esperar, as declarações ecoaram imediatamente nas redes sociais. No Twitter, o parlamentar Jean Wyllys (PSOL-RJ), militante da causa gay que assumiu um papel de liderança na denúncia contra Feliciano, acusou a ex-senadora de estar de olho na fatia conservadora do eleitorado.

Em clima de disputa eleitoral, sobrou até para a presidenta Dilma Rousseff. “Com Dilma e Marina reféns da covardia e de olho em um eleitorado conservador, as eleições de 2014 serão trevas profundas”, escreveu. A lógica de Wyllys se apoia no fato de que, nas últimas eleições, Marina obteve suas melhores votações entre o eleitorado de classe média e média alta do Rio de Janeiro e de São Paulo. Na reta final da campanha de 2010, foram temas como aborto e união homoafetiva que impulsionaram a candidatura da ex-petista e ex-verde.

O posicionamento conservador que lhe garantiu parte dos 20 milhões de votos também acabou por inviabilizar sua permanência no Partido Verde.

Agora, Marina tenta consolidar seu próprio partido, o Rede Sustentabilidade, e aposta num discurso de modernidade.

A explicação para a defesa pública de Feliciano não se justifica exclusivamente por questões religiosas. Desde 2007, Marina se aproximou do empresário Ricardo Young, dono da rede Yázigi, uma das maiores franquias de inglês do mundo. Young é vereador eleito pelo PPS e amigo de outro empresário com pretensões políticas, Steven Eriksen Binnie, o Estevão, natural de Orlândia, homem de confiança do pastor Feliciano e um de seus principais apoiadores financeiros.

Estevão foi diretor-geral do Centro Brasileiro de Filosofia para Crianças, fundado por Catherine Young, mãe de Ricardo.
Em 2010, Estevão tentou sem sucesso chegar à Assembleia Legislativa com o PPS. Conseguiu pouco mais de 38 mil votos. À Justiça Eleitoral, ele declarou um patrimônio de R$ 22,8 milhões.

ISTOÉ procurou Marina Silva por meio da assessoria de imprensa, mas não obteve resposta até o fechamento da edição.

Anúncios

4 Respostas para “MARINA EM FOCO

  1. É Guida, eu já havia prevenido nas eleições para presidente das intenções dos políticos evangélicos chegando a criticar esta loba senhora em capa de cordeiro.

  2. A luta para sobrevivermos nesta Terra tão generosa está sendo cada vez mais difícil do que ser milionário entre os gananciosos que estão destruindo a sua própria morada. Salve Marina Silva!

  3. É bom que Marina esclareça e responda essa reportagem.

  4. Igor Versiani

    Marina perdeu o foco!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s